domingo, 30 de abril de 2017

Por que estamos, o tempo todo, com essa sensação de que deveríamos estar fazendo mais?



Hoje, enquanto conversava com uma pessoa que gosto muito, me deparei com um assunto que vinha me incomodando há bastante tempo. Por que estamos, o tempo todo, com essa sensação de que deveríamos estar fazendo mais? Você pode perguntar ao redor, não é apenas uma ou duas pessoas que estão com esse sentimento, mas sim uma grande parte do seu círculo de amigos\colegas. Estamos todos ansiosos, culpados e com a sensação de que deveríamos estar fazendo mais do que estamos. A questão é: por quê? Por que temos esse sentimento de que o outro consegue fazer muitas coisas, adquirir diversos conhecimentos, enquanto nós estamos aqui, andando pela vida, sem saber pelo menos um pouco sobre muita coisa?

Vivemos em meio à uma competição onde o melhor é aquele que consegue fazer mais coisas em menos tempo,  uma competição onde não existe um vencedor, porque ninguém é bom o suficiente para vencer. Bom o suficiente para vencer o quê? Não sei, só sei que eu deveria estar fazendo alguma coisa... Não importa se você tem sete matérias obrigatórias na faculdade, mil provas, trabalhos, textos e a cabeça cheia de problemas, você ainda se sente culpado toda vez que não consegue entender um conteúdo, toda  vez que não participa em sala, toda vez que um professor não sabe o seu nome, porque você deveria ter se esforçado mais, feito mais coisa, usado melhor o seu tempo, absorvido mais informação. No fim do dia, você sempre acha que deveria ter feito algo que não fez.

Estamos tão presos nessa lógica irreal e doentia de sucesso, melhor administração do tempo, que nem percebemos o quanto, às vezes, a única coisa que deveríamos estar fazendo é respirando fundo. Porque nem respirar a gente consegue mais, temos que marcar uma hora na yôga para isso. Porque os jornais valorizam a pessoa que estudou vinte e seis horas por dia para passar em medicina, não importa se isso é logicamente impossível, se ela conseguiu, por que você não consegue? Estamos achando “incrível” comportamentos que deveriam estar nos deixando preocupados. Estamos sacrificando a nós mesmos por uma patética e irreal chance de sermos vistos, de sermos importantes, de conseguirmos finalmente calar essa voz que grita constantemente que não somos bons o suficiente. Suficiente para quê? Não importa. Nunca importou.

Ignoramos nossos amigos, deixamos de ir em alguma festa legal, não conseguimos estar 100% presentes nas reuniões de família, nas relações românticas, ou naquele simples momento no parque, tudo porque, no fim, nossa felicidade e nossa saúde sempre perdem espaço na ordem de prioridades irreais de nossas vidas. Algo é sempre mais importante do que parar e entender que às vezes "não fazer nada" é tudo o que você precisa fazer naquele momento.

Então pare, respire fundo, guarde essa culpa imensa no bolso e olhe ao redor, mesmo que seja por apenas dois minutos, mesmo que você não tenha muito tempo. Olhe bem, porque estamos nos tornando pessoas de olheiras enormes e almas culpadas, segurando litros de café e caixas de remédios, enquanto nos perguntamos, constantemente, porque não fizemos mais.

51 comentários:

  1. Que baita texto! Uma reflexão extremamente necessária.

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso! Me identifiquei muito.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. "Olhe bem, porque estamos nos tornando pessoas de olheiras enormes e almas culpadas", arrepiei nessa parte! Parabéns ao(à) autor(a)!

    ResponderExcluir
  5. O melhor texto descrevendo um Universitário,com aquele sentimentos de culpa que nunca acaba :(
    Parabéns texto incrível.

    ResponderExcluir
  6. O pior é que esta sensação, este fenômeno, não acontece apenas na Universidade! Ele está em todos os âmbitos, pois a competição virou a lei do mundo do trabalho, do mundo dos negócios, quem sabe até do mundo das relações afetivas... Além de pensar, temos que agir para reverter esta situação, tipo "Tô fora", para redirecionar nosso foco para o que real e profundamente faz sentido para nós, e em cima disto, encontrar serenidade, e quem sabe, felicidade, alegria, presença! Abraço

    ResponderExcluir
  7. Muito legal o texto. Como trabalho com pessoas vivencio muito disso, até na própria pele. Trabalhar atenção plena(mindful) pode ajudar a acalmar este sentimento e ser mais feliz ;)

    ResponderExcluir
  8. Que texto lindo! Obrigada por ter o escrito <3

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Abrace o niilismo e seja feliz, aproveite a vida ao máximo sem pensar nos porquês

    ResponderExcluir
  12. Ótimo texto, pois expõe esse sentimento destrutivo e insano, tão presente nos jovens e até mesmo em alguns adultos. Saber que outros também sentem este incômodo é reconfortador e é um dos primeiros passos para mudar. A vida é muito, muito mais do que títulos, dinheiro e status.

    ResponderExcluir
  13. Caramba, que texto magnífico! Realmente, o que você disse é o retrato de uma forma de vida doentia e insaciável. Me identifiquei bastante e encontrei até certo conforto, obrigado!

    ResponderExcluir
  14. Não sei quem você é, nem os motivos específicos que te levaram a escrever este texto, mas queria dizer que você me salvou e salvou a minha semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, eu sou uma estudante de psicologia da UFSC, fico muito feliz por ter ajudado de alguma forma <3

      Excluir
  15. Parabéns pelo texto, procurei a autoria e não achei! Esse é o sentimento não só dos estudantes... mas da maioria das pessoas... eu estou formada a anos e ainda tenho o sentimento de ter que correr "obrigatoriamente" atras do sucesso... sem poder falhar e nem descansar...
    Mas que sucesso é esse? Algo inalcançável?!
    É ótimo parar pra ler algo, que vai de encontro com o que penso!!!
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  16. Eu estava pensando nisso esses dias, essa sensação de nunca atingir o potencial é sufocante. Muito obrigado pelo texto, me ajudou bastante

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Só queria passar aqui para dizer que você é muito maravilhosa <3

    ResponderExcluir
  19. "Porque nem respirar a gente consegue mais"
    Exatamente!

    Amei o texto, pensava que sofria com isso sozinha.

    ResponderExcluir
  20. Apenas pare e respire. A vida se manifesta por sí nesse simples milagre que é instintivo. Conecte-se. E lembre-se: Existe uma infinidade de maravilhas do acordar ao deitar. Não vale a pena morrer cheio de planos. Pois o que nos cobram é um caixão volumoso. Seja leve. Anistie seu coração dos condicionamentos do mundo. Coloque os pés na grama, tome chuva. Perca o ônibus. Tenha crises de riso, diga aos seus amigos e familiares o quanto os ama. Diga a si mesmo o quanto se ama. Morra feliz, leve. Perdoe. Sente e tome um café com um mendigo, pergunte o nome dele, de onde é, porque está ali. Se interesse pelo mundo, que ele irá se interessar por você.

    ResponderExcluir
  21. Apenas pare e respire. A vida se manifesta por sí nesse simples milagre que é instintivo. Conecte-se. E lembre-se: Existe uma infinidade de maravilhas do acordar ao deitar. Não vale a pena morrer cheio de planos. Pois o que nos cobram é um caixão volumoso. Seja leve. Anistie seu coração dos condicionamentos do mundo. Coloque os pés na grama, tome chuva. Perca o ônibus. Tenha crises de riso, diga aos seus amigos e familiares o quanto os ama. Diga a si mesmo o quanto se ama. Morra feliz, leve. Perdoe. Sente e tome um café com um mendigo, pergunte o nome dele, de onde é, porque está ali. Se interesse pelo mundo, que ele irá se interessar por você.

    ResponderExcluir
  22. Muito bom Leticia! Já assistiu os desenhos do Max Lucado, "Vc é especial" e "Vc é meu?"... O texto me fez lembrar.

    ResponderExcluir
  23. Como podemos ajudar alguém se não nos esforçarmos? Desculpa, discordo muito com vc, porque parece que ser responsável é coisa de doido. Fico pensando na minha professora de constitucional que acho fantástica, ela tem milhões de artigos e realizou feitos incríveis no mundo acadêmico, tudo isso ela passar pra nós em sala de aula, todo seu conhecimento que jamais teria sido conquistado sem esforço e responsabilidade. Desculpe, mais uma vez, mas acho que esse tipo de pensamento, que eu tenho levado comigo até agora, é o que não deixa nossa geração y crescer. Somos adolescente até os 26 e estamos adorando... Não é sobre sucesso nem nada, é sobre fazer algo da vida, ajudar alguém, fazer algo acontecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Note aqui que o texto não fala que devemos deixar de nos esforçar para conseguir algo ou ser responsáveis com nossas vidas, esse não é o foco do texto. O que a gente precisa é evitar cair no clima de competitividade exagerada e se livrar da sensação de que sempre precisamos estar fazendo algo produtivo. O esforço individual é nobre, de fato, mas o descanso e o momento de pausa também é. Além disso, nem todos somos capazes de lidar com dezenas de demandas ao mesmo tempo, que a sociedade atual, cada vez mais imediatista e acelerada exige. Precisamos de um tempo para nós mesmos.

      Excluir
  24. Assino em baixo, Brunna. Não sou da geração de vocês, já estou um pouco mais velho, mas já conquistei muito e ainda tenho muito pra conquistar.
    "No dia que morrer, descansa". É importante fazer pausas tipo nos finais de semana, mas durante a semana, é pauleira mesmo. Se não corremos, se não lutarmos para conquistar nosso espaço, somos apenas mais um na multidão
    A menos que se seja um herdeiro (e olhe lá), todos temos que lutar muito pra conquistar algo... E quer saber? Isso é bom demais! A luta em si é cansativa, mas engrandecedora. E quando você vê o esforço sendo recompensado... É sublime

    ResponderExcluir
  25. Gente que texto esse! Maravilhoso...

    ResponderExcluir
  26. Leva tempo até se encontrar verdadeiramente. Alguns tem sucesso nas escolhas cedo, outros até após os 30 não encontraram e isso começa a consumi-lo por dentro, de tal forma que ninguém percebe. Existem vários tipo de crises, mas algumas são extremamente perigosas, que levam ao suicídio. Parece que o assunto não poderia chegar até esse ponto, mas pra mim chegou, mas onde quero chegar é que talvez a pessoa precisa de ajuda. As pessoas já não se importam com as outras, deixam uma magnifica conversa face a face pelas redes sociais, somos seres humanos e precisamos nos envolver socialmente. Tudo irá continuar mudando, mas nós "pessoas" continuaremos tendo as mesmas necessidades não precisamos apenas se amar mas também ser amado.

    Não sei se o texto teve alguma relevância para voce, mas acredito que não estou errado.

    ResponderExcluir
  27. Meu Parabéns ! Me deu um outro olhar para o mundo , gostaria da sua autorização para por este texto no Facebook , causará uma grande alegria para muitos atraves desta mensagem ...gostaria de fazer as suas palavras as minhas

    ResponderExcluir
  28. A competitividade está presente até mesmo no mundo animal, lugar de onde viemos justamente pela impossibilidade de competição em iguais condições; hoje, a competição possui uma certa igualdade material que permite com que qualquer indivíduo alcance seu espaço. Não se trata apenas de contemplar a natureza como um vegetal e esperar que a solução para problemas, a exemplo de cura de uma grave doença, caia do céu, mas sim de progresso humano através da criação de grandes coisas, algo que tão somente é alcançado através de impulso produtivo. Cabe a cada um a escolha de sentar no conforto de seu sofá e ver a vida passar ou correr atrás de algo maior renunciando a tudo que não faça parte de seu objetivo precípuo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tiro mérito do que você diz em relação a ficar sentado no sofá esperando que as coisas caiam do céu. Nunca devemos parar, se queremos muito uma coisa, temos que ir atrás de verdade, com força, coragem e muita luta. Mas já parou pra pensar que tudo em excesso faz mal? E cada que se passa graças a esta competitividade desmedida e desenfreada as mentes acabam adoecendo mais e mais. Adianta alcançar um objetivo de vida sem ter o minimo de saúde física ou mental para pode desfrutar daquilo que tanto almejava na vida e conseguiu?

      Excluir
  29. Lendo esse texto percebi que o que venho sentindo é exatamente isso. Faz muito tempo que estou assim e não sabia o motivo e nem o que era.

    Todo elogio é pouco para esse texto! Deus a abençoe e continue te iluminando.

    ResponderExcluir
  30. Você me acalmou, esta noite eu não dormi (na verdade dormi 30 minutos) por causa de uma prova, isso depois de ter estudado o dia todo pra chegar em casa depois de ter feito e ficar preocupada com o quanto eu ia decepcionar a minha família se não conseguisse uma boa nota

    ResponderExcluir
  31. Caramba! Penso nisso ultimamente e você veio como se soubesse o que se passava em minha mente, essa inconsciência que vivemos e a manipulação dos tempos atuais onde você é mais um número que só tem valor se for produtivo. Por favor, prefiro ser um zero a esquerda que vive e respira.
    Lindo texto. Obrigada!

    ResponderExcluir
  32. Ótima reflexão. Breve, espontânea e objetiva!

    =D

    ResponderExcluir
  33. Muito bom, realmente sempre parece que falta algo a mais.

    ResponderExcluir
  34. Que texto! descreveu tudo o que eu e mais milhões de pessoas estão passando no momento, ótima reflexão

    ResponderExcluir
  35. Sabe quando tu gosta de algo, e precisa compartilhar, para que outras pessoas também possam desfrutar disso? Foi exatamente o que fiz. Gostei muito do seu blog e inclusive desse artigo. As vezes, o que a gente precisa na verdade é saber que alguém em algum lugar nesse mundo também sente a dor da gente, também passa por algo parecido, e isso faz você se sentir menos só. Boa noitee

    ResponderExcluir
  36. Meu Deus!!! Que texto maravilhoso!!!

    ResponderExcluir
  37. mais que perfeito! Compartilho deste sentimento. Estudo tecnologia em uma faculdade que é bem vista por todos da área, é simples assim, os melhores e mais bem vistos alunos da sala ou faculdade são aqueles que já tem conhecimento sobre um monte de coisas, e que abdicam da vida para ficar na frente do computador ali retendo um monte de informações sobre novas tecnologias e coisas do momento, sem se importar com se que se descontrair um pouco. Ainda somos obrigados a escutar de um professor ou outro quando eles passam trabalhos enormes para entregar em um curto período de tempo: "O que você faz da meia noite até as 6 da manhã?... Então poderia estudar neste tempo e fazer o trabalho". Acho isso um absurdo. E ai se você não faz o pedido fico com aquele gosto amargo na boca e pensa exatamente isso, eu preciso fazer mais... preciso ser mais...
    Compartilho deste sentimento pois me sinto assim no trabalho, em casa, na faculdade.
    Fantástico seu texto!

    ResponderExcluir
  38. Exatamente assim que eu venho me sentindo.

    Parabéns.
    Belo texto para reflexão.

    ResponderExcluir